Dallagnol diz que ‘nunca houve tanta pressão’ sobre a Lava Jato

0
62
© Marcelo Camargo O procurador da República Deltan Dallagnol

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, fez críticas neste sábado (16.mar.2019) às decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) nos últimos dias e disse que “nunca houve tanta pressão” sobre as atividades da operação.

“Nunca houve tanta pressão exercida sobre a Lava Jato e às nossas atividades quanto na última semana. Quem nos pressionou pode ter acreditado que isso nos desestimularia, mas, pelo contrário, isso nos uniu”, disse, em ato de desagravo à Lava Jato promovido pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), na sede do MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná).

A declaração do procurador se referiu à decisão do Supremo que determinou que processos de crimes comuns, como corrupção e lavagem de dinheiro, ligados a crimes eleitorais, como caixa 2, devem ser enviados para a Justiça Eleitoral. Também à decisão do ministro Alexandre de Moraes, que decidiu suspender o acordo feito entre o MPF-PR e a Petrobras no dia 23 de janeiro.

O acordo determinava que a estatal pagaria de R$ 2.567.756.592,00 à 13ª Vara Federal de Curitiba. Ficou determinado ainda que metade do valor pago deveria ser destinado a 1 fundo patrimonial (endowment), cuja gestão seria feita por uma fundação independente.

A criação da fundação esteve na mira de ministros do STF e do TCU (Tribunal de Contas da União). Para eles, a proposta afronta a Constituição e as leis, já que o dinheiro deveria ser pago à União.

Com a suspensão do acordo, existe 1 risco de que esse dinheiro tenha que ser pago, pela Petrobras, aos Estados Unidos. Se não houver 1 acordo que legitime a permanência desse dinheiro no Brasil, ele terá que ser entregue às autoridades norte-americanas”, disse Deltan Dallagnol.

“Faremos todos os esforços para que os recursos permaneçam no Brasil”, completou.

Na última 3ª feira (12.mar), a força-tarefa da Lava Jato e voltou atrás da criação da fundação e decidiu negociar com a AGU (Advocacia Geral da União) sobre as tratativas do documento.

Segundo Dallagnol, a negociação foi comunicada à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que é contrária à proposta de criação de uma fundação para administrar os recursos.

“O dinheiro não precisa ir para a fundação”, afirmou. “Nossa preocupação não é para onde o dinheiro será destinado. Estamos abertos a negociações. Respeitamos a decisão do STF, mas acreditamos que as informações não chegaram completas à Corte”, completou.

ATO DE DESAGRAVO

O ato de desagravo à força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, no Paraná, defendeu a liberdade de expressão e o trabalho da Lava Jato, depois que procuradores da força-tarefa foram chamados de “cretinos” e “gentalha” pelo ministro Gilmar Mendes do julgamento na última 5ª (14.mar).

O presidente da ANPR, José Robalinho Cavalcanti, lamentou os ataques de Gilmar Mendes aos procuradores.

“Não é admissível que haja qualquer tipo de retrocesso no combate à corrupção”, afirmou. “Quando 1 órgão do Estado consegue atingir o sistema político no que ele tem de mais negativo, patológico e criminoso, a reação sempre acontece. É esse o momento que estamos vivendo agora”, completou.

Representantes do MPF de todo o país participaram do evento em apoio ao trabalho da operação. O encontro contou com a presença dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná; representantes da Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministério Público) e do CNPG (Conselho Nacional de Procuradores Gerais).

Fonte: MSN (com informações da Agência Brasil)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor, preencha seu nome auqi